Fonte: Redação - Foto: Divulgação

Bruno Pardo*


2020 foi um ano desafiador, pra dizer o mínimo. É inegável o impacto que a pandemia ocasionada pelo novo coronavírus provocou e ainda irá provocar em todos os setores sociais no mundo inteiro. Economicamente falando, mudanças estratosféricas aconteceram, desde o incentivo a comprar dos pequenos negócios a alterações legislativas com o fim de manter o emprego e a renda dos brasileiros.


A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) estimou, em setembro, uma queda de 4,5% da economia mundial nesse ano, sendo que no Brasil o percentual chega a 6,5%. Para 2021, enxerga-se um cenário mais positivo no país, com alta de 3,6% causada, principalmente, pela chegada da vacina.


No entanto, esse otimismo já é observado por um setor que sofreu, sim, com a pandemia, mas que provou ser um porto financeiramente seguro: estamos falando do mercado imobiliário. Um dos motivos principais é, sem dúvida, a histórica baixa da taxa Selic, que segue em 2%. Ora, se a maioria das pessoas não compra um imóvel à vista e precisa de linhas de crédito para investir em moradia, uma taxa de juros menor favorece muito o mercado.


Segundo dados do Banco Central (BC) divulgados em novembro, o saldo dos financiamentos imobiliários atingiu o recorde de quase R$700 bilhões em outubro de 2020. Outro recorde alcançado no mesmo mês, dessa vez denotado pela Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), foi o financiamento de 45,5 mil imóveis por meio do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE). Isso equivale a R$13,86 bilhões.


A Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) revelou em dezembro que a quantidade de vendas no terceiro trimestre de 2020 foi melhor que comparado ao mesmo período de 2019, obtendo uma alta de 39,7%. Só em setembro desse ano, cerca de 13.500 unidades foram vendidas, e esta foi a maior comercialização desde maio de 2014.


Engana-se quem pensa que esse contexto beneficia apenas os altos escalões envolvidos no meio imobiliário. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em novembro, foram 5,722 milhões de pessoas ocupadas na Construção Civil no terceiro trimestre, cerca de 400 mil a mais que no trimestre anterior. Dessa forma, o setor ocupa o resultado mais positivo no mercado de trabalho no período em questão.


Ainda segundo o IBGE, mas em outra pesquisa relacionada ao Produto Interno Bruto (PIB) do 3º trimestre de 2020, o PIB da construção civil cresceu 5,6% no terceiro trimestre de 2020 em comparação com o segundo.


Com tudo isso elucidado, é preciso destacar a força do mercado imobiliário e o porquê do otimismo para 2021? Se sim, vamos lá. Sobrevivemos. Em um cenário completamente caótico e insalubre, o setor não só saiu quase ileso, como também teve altas inesperadas. Nem o mais deslumbrado profissional da área acreditava que, no fim, o resultado seria tão surpreendente.


E foi. Cabe ressaltar aqui que, apesar do favorecimento generalizado, cada empresa se destaca com aquilo que tem de melhor a apresentar e que melhor sabe fazer. São propostas, produtos, opções e benefícios que cativam o cliente e singularizam o imóvel. Isso, na verdade, não está diretamente ligado a qualquer ano, mas está no cerne da motivação de cada empresa. Por fim, torcemos, é claro, para que 2021 seja inspirador e traga a evolução contínua para que tenhamos muito mais a conquistar e entregar a partir daquilo que o mercado demanda. A confiança segue firme e forte.


*Bruno Pardo é gerente comercial da GT Building – incorporadora que teve Valor Geral de Vendas de R$200 milhões em 2020.


Sobre

José Nival Alencar Delmondes
CRECI: 1320

Endereço

Rua Rio de Janeiro, 638
Monte Castelo
Campo Grande - MS

Telefone(s)

(67) 3351-7460 / 99981-4069